‘Made in MS’ e em 6º nas Olimpíadas, Léo de Deus foi homenageado na cidade natal: ‘já era um lambarizinho na água’

0
19

O nadador Leonardo de Deus, que ficou em 6º lugar na final da natação, nos 200 m borboleta, nos Jogos Olímpicos de Tóquio na noite desta terça-feira (27), tem uma história de vida muito particular. Nascido em Campo Grande (MS), ele viveu apenas o início da infância no município e deu suas primeiras braçadas aos 12 anos já longe do solo sul-mato-grossense, em Belém (PA).

O pai do nadador, Afonso de Deus, explica a situação. “Minha família é de Mato Grosso do Sul, voltei para Campo Grande pois fui servir como piloto e tenente da Força Aérea Brasileira e foi quando ele nasceu. Depois fomos para Belém, mas continuamos visitando o estado às vezes, indo para Bela Vista”, comenta.

A habilidade de Léo de Deus nas águas, segundo o pai, já era de nascença. “Ele começou a nadar de fato no Pará, mas ainda em Campo Grande ele já mostrou como ele era da água. Com 9 meses de idade ele foi engatinhando no clube da base aérea e pulou na água, ainda ficou nadando como um lambarizinho”, brinca.

O sangue sul-mato-grossense continuou correndo nas veias do atleta, que foi homenageado na cidade natal. O torneio estadual de natação, com 7 categorias de mirim a master, ganhou o nome de “Troféu Leonardo de Deus”, ainda em 2019.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

“É muito importante ter esse destaque de alguém dentro do estado. Isso engrandece Mato Grosso do Sul e faz com que tenhamos uma nova geração de atletas tendo o Léo como referência”, disse Marcello Vargas, presidente da Federação de Desportos Aquáticos do estado.

Na ocasião, Leonardo de Deus, que já era recordista brasileiro e três vezes campeão Pan-Americano nos 200 metros estilo borboleta em Guadalajara 2011, Toronto 2015 e Lima 2019, se disse “feliz e lisonjeado”. Ele visitou novamente a cidade natal e se colocou à disposição para os jovens atletas os país. Cancelado em 2020 por causa da pandemia, o evento deve ter novamente a presença do atleta no fim de 2021.

“Investindo em esporte, você também investe em segurança pública, educação e saúde ao mesmo tempo. O legado que quero deixar é essa continuidade, do investimento na natação. Além de cobrar, também mostrar pras crianças que não precisa ser o atleta mais alto, mais forte, mas treinar, perseverar, ter resiliência, treinar que você vai ter sucesso. Essa é uma janela que está se abrindo e quero deixar ela sempre aberta pro estado de MS”, Léo de Deus explicou, ainda em 2019.

O nadador também já havia disputado as Olimpíadas de Londres, em 2012 e do Rio, em 2016, mas nunca havia chegado nas finais. Já pouco antes de embarcar para Tóquio, Leonardo de Deus fez questão novamente de falar com o estado e reafirmar que leva Mato Grosso do Sul em todas as competições. “Espero poder representar muito bem o Brasil e Mato Grosso do Sul nos Jogos”, disse, ao Globo Esporte MS.

A rede de inspirações que o agora medalhista olímpico despertou no estado chegou em Isadora Mendes Rodrigues, de 12 anos, campeã do Centro-Oeste em várias provas, representando Mato Grosso do Sul. “Comecei na natação por apoio do meu irmão e do meu pai. Quando conheci o Léo, em 2019, admirei demais ao vê-lo nadando e me apaixonei pelo esporte, praticando ainda mais”, afirma a garota.

G1MS