Homem de 25 anos forja furto jogando o carro dentro do rio Paranaíba

0
2123

Um homem de 25 anos forjou o furto de seu veículo, um Toyota Corolla de cor prata, de Birigui (SP), jogando o veículo dentro do rio Paranaíba ao lado da Ponte Alencastro, divisa de Mato Grosso do Sul com Minas Gerais.

Por volta das 20h30 da noite deste sábado (1º), a Polícia Militar foi solicitada a comparecer na ponte Alencastro, divisa dos Estados de MS e MG. Segundo um morador da região, havia um veículo dentro do rio, não sabendo precisar se havia ocupantes.

O morador disse à polícia que seguia para sua residência, em direção a área utilizada por pescadores, quando visualizou um indivíduo, aparentemente saindo do rio e caminhando em direção à rodovia. Ao ver o morador, o individuo teria demonstrado certo nervosismo e logo deixou o local. Logo em seguida, o comunicante percebeu que no rio estava o referido veículo, ainda com as luzes ligadas.

Com um barco e contando com o auxílio dos moradores, os policiais foram até o veículo, que já estava submerso, a fim de verificar se havia ocupantes. O veículo, um Toyota Corolla de cor prata, placa de Birigui (SP), estava vazio, com os vidros e porta malas abertos.

Ao realizar uma busca pelo perímetro, foi encontrado, próximo às margens do rio, uma camisa manda longa escura. Dentro da camisa havia um capuz de cor azul. As roupas estavam molhadas e aparentavam ter sido deixadas há pouco tempo.

Através da checagem da placa, foi possível identificar o proprietário do veículo e seu número de telefone. De início, o autor atendeu a ligação do Quartel da PM, porém, após ser informado acerca do motivo da ligação, de que se tratava do serviço policial, o homem encerrou a ligação e em seguida rejeitou as ligações.

Através do aplicativo WhatsApp, os policiais novamente entraram em contato com o possível proprietário do carro, que ao ser informado sobre seu veículo, perguntou à rádio operadora se esta tinha certeza dos fatos. Ao ser questionado sobre o ocorrido, ele informou que estava em Paranaíba, contudo desconversava sobre sua localização. Após um tempo de diálogo, informou que estava num bar, próximo ao Cap.

A guarnição da PM foi ao local e localizou o homem que disse que seu veículo tinha sido furtado e que somente tinha percebido após receber a ligação via 190.

Achando estranho a postura da suposta vítima, os policiais questionaram acerca da chave do veículo, que estava em seu bolso. Ele insistia que seu veículo tinha sido furtado e que dentro do automóvel havia aproximadamente R$ 10 mil em perfumes, os quais ele vendia.

O autor também informou que o veículo era segurado, motivo pelo qual iria registrar ocorrência de furto.

Após seguidos questionamentos e muitas contradições, o homem confessou que tentara forjar um furto de seu veículo. Segundo ele, foi até o rio, engatou o veículo e deixou descer ribanceira abaixo.

O autor informou que a camisa e o capuz eram dele e que fora utilizado durante deslocamento do veículo para o local, a fim de não ser reconhecido, caso tivesse alguma câmera durante o percurso.

O homem também relatou que abandonou uma bermuda de cor azul, molhada, às margens da rodovia, que foi localizada por esta GUPM.

Segundo ele, reside em Birigui e veio para Paranaíba na sexta-feira passar o final de semana. Ainda na sexta-feira, durante o trajeto até esta cidade, seu veículo, avaliado em aproximadamente R$ 50 mil, começou a apresentar problemas no câmbio automático, motivo pelo qual o autor resolveu forjar o furto a fim de acionar o seguro.

Diante dos fatos, o autor foi encaminhado até a Delegacia de Polícia Civil. Por falta de guincho conveniado, não foi possível retirar o veículo do local.

Conforme determinação do delegado plantonista, tendo em vista que não houve crime consumado de estelionato, que não houve de fato a tentativa de golpe de seguro, mas apenas o crime na fase de cogitação, e nem houve registro formal do boletim de ocorrência de furto, que o autor apenas disse aos policiais militares que seu veículo fora furtado, e que iria registrar o boletim no dia seguinte, o autor foi liberado mediante termo de compromisso.