Suspeito de matar ex-cunhado tem prisão convertida em preventiva; família diz que ele era ameaçado

0
344

médico veterinário, de 25 anos, suspeito de matar a tiros o ex-cunhado, um empresário de 42 anos, passou por audiência de custódia nesta manhã (3) e teve a prisão em flagrante convertida em preventiva. Ao G1 testemunhas alegaram que ele era ameaçado, agiu em legítima defesa e o advogado da família inclusive ficou de apresentar ameaças pelo Whatsapp, as quais ele estaria recebendo há cerca de um ano.

Segundo o delegado Mikaill Faria, responsável pelas investigações, a vítima estava em processo de separação da irmã do suspeito, discutindo a separação litigiosa e, desde então, o suspeito também estaria envolvido, ocasionando “muitas rusgas na família”, ainda conforme o delegado.

Questionado, o suspeito ressaltou que as ameaças eram direcionadas não somente para ele, mas, também para a mãe e a irmã dele. Nessa quarta-feira (2), ao buscar o filho na casa da ex-sogra, que mora com o ex-cunhado, houve uma discussão. O médico veterinário então alegou que “perdeu a cabeça” e então entrou na casa, pegou a arma e já saiu “correndo e atirando” na vítima, tendo feito ao menos quatro disparos.

Assassinato

O empresário, identificado como Erick Wagner Batista Inserra, foi morto após briga familiar na tarde do dia anterior, no bairro Coronel Antonino, região norte de Campo Grande. Pouco antes, Erick teria ido ao local para buscar o filho.

A informação inicial, conforme a polícia, era de que o crime teria ocorrido na frente do filho da vítima, porém, a família contesta a versão e diz que o menino “nem está sabendo o que ocorreu”.

O médico veterinário confessou ser o autor dos disparos e foi autuado por policiais militares com a arma do crime. Em seguida, levado para a Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Centro.

O caso foi registrado como homicídio qualificado por motivo fútil e está sendo investigado.

FONTE: G1 MS