Projeto “Educação Continuada Itinerante” capacitará profissionais da Saúde de Paranaíba e região

0
24

Serão capacitados profissionais da microrregião de Paranaíba, que conta com Aparecida de Taboado, Cassilândia e Inocência.

A Prefeitura de Paranaíba, por meio da Secretaria de Saúde, nos dias 23 e 24 de julho, ficará responsável – por ser sede do evento – em dar condições para que o Projeto “Educação Continuada Itinerante” ocorra e capacite os profissionais da microrregião de Paranaíba, que conta com Aparecida de Taboado, Cassilândia e Inocência.

O projeto tem como objetivo capacitar o grupo formado por profissionais (médicos e enfermeiros) que atuam na área de planejamento familiar, contracepção, pré-natal, parto, hemorragias pós-parto, hipertensão gestacional, gestantes com COVID, tendo em vista que a maioria das mortes maternas são evitáveis, pois as soluções de cuidados de saúde para prevenir ou administrar complicações são bem conhecidas, além da implementação do Protocolo de do Protocolo Estadual de Saúde Reprodutiva de Contracepção Reversível de Longa Duração (LARC’s),  aprovado pela SES/MS, com a capacitação teórico-prática na oficina, e prática real em pacientes.

Com a aprovação do LARC’s, faz-se necessária a capacitação dos profissionais médicos para inserção dos métodos, entendendo as principais indicações e contraindicações.

Segundo a Enfermeira Daiane Agi, haverá inserção dos métodos em voluntarias. “Teremos inserção de DIU. Teremos essa divulgação para as pacientes que tem interesse em participar. Serão realizadas uma aula teórica e uma aula prática. A aula teórica será realizada no campus da UEMS e a aula prática será realizada na Clínica da Mulher”.

 Além da compreensão dos principais benefícios como: não necessitam de manutenção mensal, apenas visitas periódicas à ginecologista; diminuição de fluxo e duração das menstruações com taxa de eficácia alta, semelhante à de métodos contraceptivos; compostos somente de progestagênio e por isso pode ser empregado quando a pílula está contraindicada; após a remoção, há rápido retorno ao ciclo menstrual e às taxas de fertilidade; risco de gravidez próximo a zero, sendo uma forma eficaz de reduzir os índices que impactam diretamente os custos para o Sistema Único de Saúde.

A redução da mortalidade materna ainda é um desafio para os serviços de saúde e para a sociedade como um todo, configuram um grave problema de saúde pública, tendo maior prevalência entre mulheres das classes sociais com menos recursos, e isso se agrava ainda mais se tratando de ocorrências no interior do estado, onde nem sempre encontramos estrutura necessária e profissionais capacitados para esses tipos de ocorrências.

Com o aumento significativo de óbitos maternos devido a COVID na gestante, foi incluído uma oficina teórico prática de COVID na Gestante, com as principais condutas frente as possíveis intercorrências.

O Projeto Educação Continuada Itinerante é realizado pelo Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, Secretaria de Estado de Saúde SES e SOGOMAT-SUL.

Serão necessárias voluntárias para inserção dos métodos. Quem tiver interesse procurar a Clínica da Mulher. As vagas são limitadas.

FONTE: DECOM