Médica é agredida por paciente na madrugada desta segunda (3) no Pronto Socorro de Paranaíba

0
1913

Uma mulher de 20 anos de idade agrediu a médica plantonista do Pronto Socorro da Santa Casa de Paranaíba na madrugada desta segunda-feira (3), por volta de 0h40.

Conforme registro policial, os policiais militares atenderam uma ocorrência de vias de fatos e ao chegarem na Delegacia de Polícia Civil a mulher de 20 anos encontrava-se com uma lesão na cabeça. Segundo ela, proveniente de um golpe com uma garrafa, desferido por um indivíduo, no momento de uma briga.

Ao levarem a mulher para a Santa Casa, durante atendimento pela médica plantonista para verificar a lesão, muito nervosa, ela começou a gritar que estava doendo e que era para a médica tirar as mãos dela. A médica disse que precisava verificar a lesão para saber se seria caso de sutura, porém, a vítima manteve-se alterada e chegou a puxar os cabelos da médica e desferir tapas em sua direção. A equipe policial interviu utilizando de algemas para contê-la.

Logo em seguida, foi perguntado para a mulher se queria receber o atendimento ou ser liberada mediante termo de responsabilidade. Ela disse que iria se acalmar e que queria receber atendimento. Sendo assim, foi realizado o devido atendimento por parte dos profissionais da Santa Casa e logo em seguida a mulher foi liberada pela médica plantonista.

A médica solicitou que fosse registrado boletim de ocorrência, por conta da agressão sofrida por ela. A mulher agressora foi encaminhada novamente até a Delegacia de Polícia Civil onde foi confeccionado o boletim e entregue ao agente de plantão.

A mulher tinha lesões corporais, na cabeça, na boca e no pé esquerdo, lesões estas decorrentes da briga.

Médicos que atendem no plantão do Pronto Socorro da Santa Casa relataram à reportagem do Jornal Tribuna Livre que é recorrente este tipo de agressão contra os profissionais de saúde e já solicitaram por diversas vezes maior segurança por parte da administração do hospital para trabalharem. Este seria um dos motivos que os médicos plantonistas deixam de trabalhar na Santa Casa assim que encontram um novo trabalho, mais seguro.